AS AULAS DE CIÊNCIAS NA VISÃO DE ALUNOS E PROFESSORES DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DE ARARAS

Thainá Verena da Silva

Resumo


As aulas de Ciências podem ser diversificadas, com diferentes estratégias de ensino, porém muitas vezes isso não acontece nas escolas, por diferentes motivos. Esta pesquisa teve como objetivo entender como alunos do Ensino Fundamental II julgam ser as aulas de Ciências, comparando com as respostas de seus respectivos professores, além de identificar possíveis sugestões de melhorias no processo de ensino-aprendizagem. A pesquisa foi realizada com questionários respondidos por alunos e professores de uma escola pública e outra particular. As respostas foram analisadas e discutidas de acordo com a bibliografia, o que permitiu algumas comparações e propostas de melhorias.  Os achados da pesquisa indicaram que os alunos e professores reconhecem e aprovam a diversificação nas aulas de Ciências como fator para torna-las mais interessantes e auxiliar na construção do conhecimento.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, P. N. de. Educação lúdica. São Paulo: Loyola, 1998.

ALTARUGIO, M. H; DINIZ, M. L; LOCATELLI, S. W. Debate como estratégia em aulas de química. Química Nova Escola, vol. 32, nº 1, fev. 2010.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC / SEF, 1998. 138 p.

CARRIJO, I. L. M. Do Professor “Ideal”(?) de Ciências ao Professor Possível. Araraquara: JM Editora, 1999. p. 122

CARVALHO, A. M. P. de; Gil-Pérez, D. Formação de Professores de Ciências - Tendências e Inovações. 7 ed. São Paulo: Cortez Ed., 2003.

CRUZ, D. A. da. Atividades prático-experimentais: tendências e perspectivas. UEL, Londrina, p.16, 2008.

CUPOLILLO, A. V.; FONSECA, L. C. de S.; Repensando a formação de professores a partir da epistomologia da complexidade. Rev. Uni. Rural, Sér. Ciências Humanas. Seropédica, RJ, EDUR, v. 26, n. 1-2, p. 01 -04 jan-dez, 2004.

DOURADO, L. Concepções e práticas dos professores de Ciências Naturais relativas à implementação integrada do trabalho laboratorial e do trabalho de campo. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 1 (2006).

EDWALD, K. P. et. al. Formação continuada de professores: Ensino de Ciências e a fotografia como estratégia integradora. 1º Encontro de Ciências em Educação para a Sustentabilidade, p. 8, 2013.

FITA, E. C. O professor e a motivação dos alunos. In: TAPIA, J. A.; FITA, E. C. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz. 4. ed. São Paulo: Loyola, 1999. p. 65-135.

GALVÃO, G. F.; LIMA, S. A. L.; SILVEIRA, R. M. C. F. O enfoque Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente como estímulo ao desenvolvimento de uma cultura científica e tecnológica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia – PPGECT. I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia – 2009.

SANTOS, A. C. et. al. A Importância do Ensino de Ciências na percepção de estudantes de Escolas da Rede Pública Municipal De Criciúma – SC. Revista Univap, São José dos Campos-SP, v. 17, n. 30, dez.2011.

RAMOS, L. B. C.; ROSA, P. R. S. O ensino de ciências: fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental.Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 299-331, 2008.


Apontamentos



Direitos autorais 2018 Revista Ensaios Pioneiros

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana