ESTRATÉGIAS ATIVAS DE APRENDIZAGEM E O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS TÉCNICAS E ATITUDINAIS

Michele Cristina Souza Achcar Colla de Oliveira, Ana Flávia de Carvalho, José Roberto Almeida Junqueira, Patricia Gomes Furlanetto

Resumo


As estratégias e metodologias ativas de aprendizagem instrução entre pares (Peer Instruction), Sala de aula invertida (Flipped Classroom), Estudo de Caso e Aprendizagem baseada em Projetos (PBL) serão abordadas neste artigo como recursos para a operacionalização do projeto pedagógico institucional do UNIFEOB, que está baseado no desenvolvimento de competências técnicas e atitudinais. A arquitetura dos cursos de graduação parte da identificação das competências - concebido como um conjunto articulado de conhecimentos, habilidades e atitudes -  presentes nas diretrizes curriculares nacionais, nas normativas dos órgãos de classe e nas demandas do mercado de trabalho; alinhando os perfis dos ingressantes e dos egressantes ao desenvolvimento de competências técnicas e atitudinais. Em cada curso, em termos de sistematização, parte-se para a distribuição das competências técnicas e atitudinais entre os módulos, os quais são calibrados com a articulação dos domínios cognitivos previstos na taxonomia de Bloom e que permitem a construção de objetivos de aprendizagem compatíveis com a proposta pedagógica e o desenvolvimento de competências técnicas e atitudinais. Nesse sentido, as atividades acadêmicas, nos diversos espaços de aprendizagem, permitem que a teoria e a prática (práxis), sejam aplicadas e vivenciadas pelos docentes e discentes por meio de metodologias e estratégias ativas de aprendizagem que proporcionem a integração dos saberes, a autonomia dos estudantes e o protagonismo dos estudantes, alinhadas às demandas profissionais, pessoais e sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10 ed. Joinville: UNIVILLE, 2012.

BACICH, Lilian. Metodologias Ativas para uma Educação Inovadora: Uma Abordagem Teórico-Prática. Penso, 2018. [Minha Biblioteca].

BAFFI, M. A. T. O planejamento em educação: revisando conceitos para mudar concepções e práticas. In: BELLO, J. L. P. Pedagogia em Foco. Petrópolis. 2002. Disponível em Acesso em: 14 de jan. de 2016.

BEHRENS, M.A. Formação continuada dos professores e a prática pedagógica. Curitiba: Champagnat, 1996.

BENDER, W. N.. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2014.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BERCHIOR, Aparecida do Carmo Frigeri. In Workshop Projeto Pedagógico de Curso: Gestão e Avaliação. GEdcu 2013.

BORDENAVE, Juan Diaz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino-aprendizagem. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

COLOMBO, Andréa Aparecida; BERBEL, Neusi Aparecida Navas. A Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez e sua relação com os saberes de professores. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 28, n. 2, p. 121-146, jul./dez. 2007.

COMO ESCREVER UM ESTUDO DE CASO. Disponível . Acesso em 01 ago. 2015.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. Estratégias de ensino-aprendizagem para desenvolvimento das competências humanísticas. Propostas para formar médicos veterinários para um mundo melhor. Disponível em < http://portal.cfmv.gov.br/uploads/files/Estrategias%20de%20Ensino-aprendizagem%20 para%20Desenvolvimento%20das%20Competencias%20Humanisticas_site.pdf>. Acesso em 12 jan. 2016.

DEMO, Pedro. Avaliação Qualitativa. 6.ed. Campinas: Editores Associados, 1999.

ELUF, Luiza Nagib. A paixão no banco dos réus. Editora Saraiva.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti.; BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2>. Acesso em 12 jan.2016.

FRANCO, Max. Storytelling e suas aplicações no mundo dos negócios. São Paulo: Atlas, 2015.

GUEDES, Edson Claiton. A reforma universitária segundo a teoria do pensamento complexo de Edgar Morin. Disponível em < http://educere.bruc.com.br/ANAIS2013/pdf/6847_4456.pdf>.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2008, vol.13, suppl.2, pp. 2133-2144. ISSN 1413-8123. Disponível em

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 12. ed. São Paulo, SP; Brasília, DF: Cortez: UNESCO, 2007.

MORIN, Edgar; ALMEIDA, Maria da Conceição; CARVALHO, Edgard de Assis (org.). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 5. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2009.

PARRY, Scott. B. – The quest for competencies – Training, julho 1996, p. 48-54;

REINHOLD, Helga Hinkenickel; LIMA, Regina Célia de Carvalho Paschoal. Manual UNIFEOB Para Trabalhos Acadêmicos, 2014.

ROCHA, Eduardo Peixoto. In Painel: Currículo por Competências. GEdcu 2015.

SCALLON, Gérard. Avaliação da aprendizagem numa abordagem por competências. Tradução de Juliana Vermelho Martins. Curitiba: PUCPRess, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Ensaios Pioneiros

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana