DADOS EPIDEMIOLÓGICOS RELACIONADOS À FEBRE AMARELA NO MUNICÍPIO DE VINHEDO

Iara Lucia Tescarollo, Aline Garcia Domingos, Carlos Eduardo Pulz Araújo

Resumo


Durante três séculos a febre amarela se alastrou, sem combate, causando a morte na medida em que se expandia pelo território brasileiro. As arboviroses representam grande desafio à saúde pública, fatores climáticos e ambientais, desmatamento e expansão de áreas urbanas, aproximaram nas últimas décadas o homem das regiões antes não ocupadas, fortalecendo contato entre espécies. A reemergência da doença revela a necessidade de acautelar sobre novos casos. Sendo a febre amarela silvestre uma zoonose, sua transmissão não é passível de eliminação, necessitando de vigilância e manutenção das ações de controle especialmente por meio de cobertura vacinal adequada. Desta maneira, o objetivo do trabalho é analisar dados epidemiológicos e ações de promoção de saúde, através do estudo da cobertura vacinal da população do município de Vinhedo, notificações de casos humanos e epizootias em primatas não humanos, investigações entomológicas relacionadas ao vetor. Um estudo descritivo foi realizado com fonte de informação o Sistema de Informação de Agravos de Notificação e Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Graças Vale et al. Aedes aegypti and associated fauna in the rural zone of Manaus, in the Brazilian Amazon. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 42, n. 2, p. 213-216, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços - 2.ed.- Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

CAVALCANTE, Karina Ribeiro Leite Jardim; TAUIL, Pedro Luiz. Características epidemiológicas da febre amarela no Brasil, 2000-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, p. 11-20, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Febre amarela: guia para profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia de vigilância de epizootias em primatas não humanos e entomologia aplicada à vigilância da febre amarela –2. ed. atual. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

FONTELLES, Mauro José et al. Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista Paraense de Medicina, v. 23, n. 3, p. 1-8, 2009

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2018.

SAÚDE, G. d. (20 de fevereiro de 2017). Boletim Epidemiológico. Secretaria de Estado da Saúde. Disponível em CVE - Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac":. Acesso em 5 de março de 2018.

SAÚDE, G. d. (20 de fevereiro de 2017). Boletim Epidemiológico. Secretaria de Estado da Saúde. Disponível em CVE - Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac": . Acesso em 5 de Março de 2018.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 6ª ed. São Paulo, SP: Atlas, 2005.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas do Desenvolvimento Humano, 2010. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2018.

Prefeitura Municipal de Vinhedo, 2017. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

Prefeitura Municipal de Vinhedo, 2017. Disponível em:

Prefeitura Municipal de Vinhedo, 2017. Disponível em:

ROMANO, Alessandro Pecego Martins et al. Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 20, n. 1, p. 101-106, 2011.

SUCEN. Superintendência de Controle de Endemias, 2018. Resultado De Pesquisa Entomológica Para Febre Amarela.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Ensaios Pioneiros

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana