SEQUÊNCIA DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM FARMÁCIA: METODOLOGIA ATIVA COM O TEMA PERFUME

Iara Lucia Tescarollo

Resumo


No atual contexto social, pelo avanço das novas tecnologias e pela percepção do mundo vivo como uma rede de relações dinâmicas e em constante transformação tem-se discutido a necessidade de urgentes mudanças nas instituições de ensino superior. Nesse contexto, algumas instituições brasileiras converteram o modelo de ensino passivo, centrado no professor, para um ensino estruturado numa matriz curricular centrada no aluno. Este trabalho propôs a utilização de metodologia ativa baseada nas Sequências de Ensino-Aprendizagem para desenvolver o tema perfume, conteúdo oferecido na disciplina cosmetologia do Curso de Farmácia da Universidade São Francisco. Como recurso didático foi utilizado o modelo 5E que envolve cinco etapas: engajamento; exploração; explicação; elaboração; e avaliação (do inglês evaluation). Ao final do processo os alunos avaliaram a metodologia meio de questionário com escala Likert.  A partir dos resultados obtidos calculou-se o Ranking Médio para avaliar o nível de satisfação dos estudantes e valor de alfa de Cronbach para verificar se o instrumento de medição apresentou confiabilidade no espaço onde foi aplicado. Como resultado ficou evidente que a utilização de metodologias ativas na disciplina de cosmetologia permitiu autonomia e motivação por parte dos alunos. Foi possível observar maior compreensão sobre o tema, maior retenção de conhecimentos. Metodologias ativas envolvendo SEA e 5E se apresentaram como um recurso metodológico de grande importância para o planejamento de estratégias de ensino sobretudo no curso de farmácia.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, C.E.P.; PARISE, M.C.P; VELOSO, R.V. O uso da ferramenta da simulação para realizar uma plenária ética. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Ensino de deontologia e legislação farmacêutica: conceitos e práticas. 2ª ed. São Paulo: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2015, p. 45-47

AUSUBEL, D.P.; NOVAK, J.D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. 2.ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARROS, K.B.N.T. et al. Metodologia ativa na construção de um processo educativo critico reflexivo com discentes do curso de farmácia. Revista Expressão Católica, v. 3, n. 1, 2014.

BERBEL, N,A,N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 2, p. 139-154, 1998.

BERMOND, M.D.; FERNANDES, Z. C.; COSTA, E.M.M.B.; CUNHA,N.S.; HONDA, A.M. Modelo referencial de ensino para uma formação farmacêutica com qualidade. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2008. 114 p.

BERTRAM, D. Likert scales. Retrieved November, v. 2, p. 2013, 2007.

BRASIL. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Comissão Assessora de Educação Farmacêutica. Comissões de Ética. Ensino de deontologia e legislação farmacêutica: conceitos e práticas. São Paulo: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2014. 95 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 6, de 19 de outubro de 2017. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2017.

BYBEE, R.; TROWBRIDGE, L., POWELL, J. C. Teaching secondary school scientia: strategies for developing scientific. 9th ed. Published Upper Saddle River, NJ: Pearson/Merrill/Prentice Hall, 2008. 362p.

CAMPBELL, A.N. et al. Student-led development, delivery, and assessment of an integrated learning activity focusing on acute myocardial infarction. Currents in Pharmacy Teaching and Learning, v. 4, n. 1, p. 2-15, 2012.

CASSIANO, R.M. Estratégias competitivas das empresas produtoras de sementes de soja: um estudo exploratório no Sul de Mato Grosso. CNEC/FACECA. Faculdade Cenecista de Varginha. Mestrado em Administração e Desenvolvimento Organizacional. Varginha, 2005.

CRONBACH, L.J.; SHAVELSON, R.J. My current thoughts on coefficient alpha and successor procedures. Educational and psychological measurement, v. 64, n. 3, p. 391-418, 2004.

CRUZ, M.E.B.; NETO, J.E.S.; SANTANA, A.L. B.D. Uma sequência de ensino e aprendizagem sobreperfumes e essências para o ensino de funções oxigenadas. In: XIII Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão – JEPEX 2013, UFRPE: Recife, 2013. Disponível em: http://www.eventosufrpe.com.br/2013/cd/resumos/R0859-2.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2018.

DA CUNHA, M.B.; GIORDAN, Marcelo. A imagem da ciência no cinema. Química Nova na Escola, v. 31, n. 1, 2009.

DIAS, S.M.; SILVA, R.R. Perfumes: uma química inesquecível. Química nova na Escola, v. 4, p. 3-6, 1996.

ELLIOTT, J.P. et al. The impact of elective active-learning courses in pregnancy/lactation and pediatric pharmacotherapy. American Journal of Pharmaceutical Education, v. 76, n. 2, p. 26, 2012.

GOSSENHEIMER, A.N.; CARNEIRO, M.L.F.; DE CASTRO, M.S. Estudo comparativo da metodologia ativa “gincana” nas modalidades presencial e à distância em curso de graduação de Farmácia. ABCS Health Sciences, v. 40, n. 3, 2015.

HAIR JR, J.F. et. al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

KABAPINAR, F.; LEACH, J.; SCOTT, P. The design and evaluation of a teaching–learning sequence addressing the solubility concept with Turkish secondary school students. International journal of science education, v. 26, n. 5, p. 635-652, 2004.

LIMBERGER, J.B. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem para educação farmacêutica: um relato de experiência. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 17, p. 969-975, 2013.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MARCELINO JÚNIOR, C. A. C. et al. Perfumes e Essências: a utilização de um vídeo na abordagem das funções orgânicas. Química Nova na Escola, n. 19, p. 15-18, 2004.

MÉHEUT, M. Teaching-learning sequences tools for learning and/or research. In: Research and the quality of science education. Springer, Dordrecht, 2005. p. 195-207.

MÉHEUT, M; PSILLOS, D. Teaching–learning sequences: aims and tools for science education research. International Journal of Science Education, v. 26, n. 5, p. 515-535, 2004.

MITRE, S.M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva, v. 13, n. 2, p. 2133-2144, 2008.

MÜNCHEM, S. Cosméticos: uma possibilidade de abordagem para o ensino de química. 2012. 100 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

NAPOLITANO, M. Como usar o cinema na sala de aula. 4ª ed. São Paulo: Contexto; 2010.

NOVAK, J.; GOWIN, D. B. Aprendiendo a aprender. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

OLIVEIRA, L.H. Exemplo de cálculo de Ranking Médio para Likert. Notas de aula. Metodologia científica e técnicas de pesquisa em administração. Varginha: PPGA CNEC/FACECA, 2005.

PAIVA, M.R. Ferreira et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE-Revista de Políticas Públicas, v. 15, n. 2, 2016.

PATRO, E.T. Teaching aerobic cell respiration using the 5 Es. The American Biology Teacher, v. 70, n. 2, p. 85-87, 2008.

ROCHA, B.J.B. O paciente virtual no ensino de competências para a prática da atenção farmacêutica. 2013. 199f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Medicina: Ciências da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2013.

RODRIGUES, J.S. Metodologia da problematização e o desenvolvimento de habilidades interpessoais na formação profissional em saúde. Scientia Plena, v. 13, n. 5, 2017.

SANTOS, P.N.; AQUINO, K.A. Utilização do Cinema na Sala de Aula: Aplicação da Química dos Perfumes no Ensino de Funções Orgânicas Oxigenadas e Bioquímica. Química Nova na Escola, v.33, n.3, agosto, 2011, p.160-167.

SARAIVA, E.M.S. et al. Uso da Estratégia Aprendizagem Baseada em Equipes em Disciplinas da Graduação em Farmácia. Id on Line REVISTA DE PSICOLOGIA, v. 12, n. 39, p. 831-838, 2018.

SILVA, R.H.A.; MIGUEL, S.S.; TEIXEIRA, Luciana Scapin.Problematização como método ativo de ensino-aprendizagem: estudantes de farmácia em cenários de prática. Trab. educ. saúde (Online) [online]. 2011, vol.9, n.1, pp. 77-93.

SILVA, R.H.A.; MIGUEL, S.S.; TEIXEIRA, L.S. Problematização como método ativo de ensino-aprendizagem: estudantes de farmácia em cenários de prática. Trab. educ. saúde, v. 9, n. 1, 2011.

SILVA, A.T.L.; MENDES, T.S.; ASSIS, G.C.; PEREIRA, S.T. Perfumes e a Química Orgânica: Contextualizando para o Ensino Médio. In: XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (XVI ENEQ) e X Encontro de Educação Química da Bahia (X Eduqui). Salvador, BA, 2012.

STREINER, D.L. Being inconsistent about consistency: When coefficient alpha does and doesn't matter. Journal of personality assessment, v. 80, n. 3, p. 217-222, 2003.

TESCAROLLO, I. L.; BARDI, M.A.G. Estabilidade de Medicamentos: Estudo de Caso em Farmacotécnica. Anais do III Fórum Sthem Brasil: encontro sobre inovação acadêmica e aprendizagem ativa. Unicesumar (organizador). São Caetano do Sul, 30 e 31 de março. Sthem Brasil/FOA, 2017, p. 75.

TYKER, T. Perfume: The story of a murderer. Los Angeles: Paramount Pictures, 2006. Vídeo-disco (147 min).

ZAMPIERI, A.L.T.C. Metodologias problematizadoras: experiência vivenciada no estágio supervisionado em manipulação farmacêutica. Revista Educação & Mudança, n. 23,2010, p.60-65.

ZANESCO, M. C.; ARAUJO, P. A.; PARISE, M. C.P. WhatsApp Como Estratégia Inovadora no Processo Ensino-Aprendizagem. Anais do IV Fórum Sthem Brasil: Inovação na educação e aprendizagem ativa na prática. Universidade São Judas Tadeu (organizador). São Paulo, 22 e 23 de março. Sthem Brasil/FOA, 2018, p. 94.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Ensaios Pioneiros

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana